cinema brasileiro

Taego Ãwa: política da nomeação

Talvez uma série de problemas que são abordados pelo filme Taego Ãwa, de Henrique e Marcela Borela - e também é preciso dizer: que o afetam - resida na questão do nome próprio. Crítica publicada originalmente na revista Janela.

Taego Ãwa: política da nomeação

A imagem dormente

Texto sobre o cinema de Joel Pizzini, escrito para o catálogo do II Pirenópolis Doc, que ocorreu entre 03 e 07 de agosto de 2016 e incluiu uma retrospectiva do diretor, com a exibição dos filmes Caramujo Flor (1988), Enigma de um Dia (1996), 500 Almas (2004), Dormente (2005), Helena Zero (2006), Mar de Fogo (2014), Último Trem (2014) e Olho Nu (2014).

A imagem dormente

Comunicabilidade e conciliação: melodrama e denegação do dissenso

Por que Que horas ela volta? é mais um sintoma do que um diagnóstico? A resposta entrelaça alguns assuntos que talvez seja preciso conceituar: o imaginário conciliador, a linguagem cultural dos estereótipos, o estilo cinematográfico da obviedade.

Comunicabilidade e conciliação: melodrama e denegação do dissenso

Eduardo Coutinho, 7 de outubro: o narrador e sua figura

Fábio Monteiro escreve sobre Eduardo Coutinho, 7 de outubro, em que Carlos Nader inverte o jogo que caracteriza o estilo documentário de Coutinho e o transforma em comentador de seus filmes.

Eduardo Coutinho, 7 de outubro: o narrador e sua figura

Eu não quero voltar sozinho (2010) e Hoje eu quero voltar sozinho (2014), de Daniel Ribeiro

O curta e o longa que Daniel Ribeiro dedicou às mesmas personagens propõem a exploração dramática do afeto e a exploração afetiva de um melodrama de formação, por meio de uma poética da delicadeza.

Eu não quero voltar sozinho (2010) e Hoje eu quero voltar sozinho (2014), de Daniel Ribeiro

Montagem caleidoscópica: Glauber Rocha sobre Manhã cinzenta

Para Glauber Rocha, Manhã cinzenta (1969), de Olney São Paulo, é um filme de resistência e de crítica, caracterizado por uma "montagem caleidoscópica".

Montagem caleidoscópica: Glauber Rocha sobre Manhã cinzenta

V Mostra Audiovisual da UEG: comentários aos filmes

Comentários sobre as produções exibidas no dia 05 de dezembro de 2013, na V Mostra Audiovisual da UEG, de cujo júri participei, ao lado de Rafael Parrode e de Rafael de Almeida.

V Mostra Audiovisual da UEG: comentários aos filmes

Pacific: a memória do aparelho e as ruínas do espetáculo

Pacific exige que nos perguntemos sobre o que as câmeras capturaram e sobre aquilo que deixaram de fora - a questão da representação - assim como sobre quem as controla - a questão da mediação.

Pacific: a memória do aparelho e as ruínas do espetáculo