II Fronteira, dia 10: Brouillard - Passage #14

II Fronteira, dia 10: Brouillard - Passage #14

No décimo e último dia do II Fronteira, não pude rever o maravilhoso Quixote (1965), de Bruce Baillie (cuja sessão perdi), nem consegui assistir todo o instigante The thoughts that once we had (2014), de Thom Andersen (em cuja sessão cheguei atrasado). Espero poder ver o filme de Andersen em breve, mas confesso que não sei se escrever sobre ele me parece viável, uma vez que sua base são os livros de Deleuze sobre cinema, que conheço muito mal. Abaixo, digo apenas algumas palavras sobre uma descoberta incrível (entre tantas) dentro da mostra Underground Mines: Brouillard - Passage # 14 (2014), de Alexandre Larose (de que você pode ver um trecho abaixo).

Brouillard - Passage #14 (2014) me impressionou como um sonho calculado. A força alucinatória do experimento de Alexandre Larose entrelaça um gesto minimalista - o ato de caminhar - e um excesso barroco - os incontáveis registros da caminhada aparecem ao mesmo tempo, por meio da sobreposição dos planos capturados pelo próprio Larose enquanto caminhava em ocasiões diferentes, na duração de um mesmo filme. A reunião dos diversos registros do mesmo itinerário na mesma imagem confere ao passeio um sentido fantasmagórico, que se acentua quando a figura de uma garota atravessa um dos lados da imagem, dirigindo-se ao centro do enquadramento, e que alcança sua maior densidade e beleza nos lampejos de luz solar refletida na água que vêm habitar a tela como vagalumes, no final do itinerário.

O interesse do experimento de Larose é fundamentalmente pictórico, plástico e poético, mas as possibilidades estéticas que suas imagens resguardam são diversas e poderiam ser exploradas de muitas formas diferentes em filmes documentais ou ficcionais interessados em explorar os problemas da representação e da inscrição fílmica do espaço e do tempo, do deslocamento e da duração. Nessa entrevista, Larose comenta seu processo de trabalho, em que os efeitos estéticos mais precisos que alcança e seus desdobramentos filosóficos e teóricos vêm depois do trabalho exploratório do meio cinematográfico, da película e de suas propriedades físico-químicas. Ele também explica o princípio da série Brouillard (de que a Passage #14 é apenas uma parte): "Na série Brouillard, estou caminhando ao longo de um caminho tantas vezes quanto há camadas [de imagens]." Por meio do trabalho de acumulação de camadas numa espécie de palimpsesto pelicular, Larose pretende "provocar ou empurrar um meio de modo a que ele revele algo que não foi antecipado" (impossível não lembrar de Vilém Flusser, que talvez dissesse que Larose pretende levar o programa do aparelho às zonas menos prováveis de seu funcionamento).

Efetivamente, parte do interesse da Passage #14 da série Brouillard me parece residir no modo como Larose revela a consistência granular da imagem fotográfica que serve de base para a película cinematográfica, por meio da sobreposição (e não de procedimentos pictorialistas típicos). O grão emerge do sutil jogo de dissociação e de convergência parcial, que reúne as imagens de tempos diferentes na duração do filme. Uma arqueologia imaginária das camadas sobrepostas permite adivinhar a multiplicidade de tempos que se entrelaçam. Entre os tempos, aparece uma espécie de atrito, de que decorre a fantasmagoria das imagens. O que vemos em Brouillard - Passage #14 é uma espécie de poeira, que vem habitar nossos olhos com um resíduo de matéria onírica.

Professor de história e teoria do cinema da Faculdade de Comunicação da UFBA, em Salvador. Nascido em São Paulo, de onde saiu aos 9 anos de idade, já morou em Brasília, em Florianópolis e em Montréal, além de Goiânia, onde vive atualmente. É pesquisador e crítico de cinema e cultura visual, programador e curador de mostras e festivais de cinema, doutor em Arte e Cultura Visual, com pesquisa sobre cinema e direitos humanos. É indeciso e nervoso, tenta ser leve e cuidadoso, consegue ser magro e comer muito.

Se você gostou do texto, compartilhe!