Aparelho e fantasmagoria em Blow-up (1966)

Publicado nos Anais do VII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual, realizado pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, este artigo propõe uma interpretação analítica do filme Blow-up (1966), de Michelangelo Antonioni, considerando as relações entre olhante e olhado que se delimitam e que se deslocam no decorrer de sua narrativa, em torno da fotografia e do cinema.

Referência para citação:

RIBEIRO, Marcelo Rodrigues Souza. Aparelho e fantasmagoria em Blow-up (1966). In: CHAUD, E.; SANT'ANNA, T. F. (orgs.). Anais do VII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual, Goiânia: UFG/FAV, 2014, p. 58-69.

Leia em PDF

Professor de história e teoria do cinema da Faculdade de Comunicação da UFBA, em Salvador. Nascido em São Paulo, de onde saiu aos 9 anos de idade, já morou em Goiânia, Brasília, Florianópolis e Montréal. É pesquisador e crítico de cinema e cultura visual, programador e curador de mostras e festivais de cinema, doutor em Arte e Cultura Visual, com pesquisa sobre cinema e direitos humanos. É indeciso e nervoso, tenta ser leve e cuidadoso, consegue ser magro e comer muito.

Se você gostou do texto, compartilhe!